Site lançado

30/10/2013 21:01

Segure as lágrimas: Cão fugiu de casa para encontrar o túmulo de seu dono e permanece ao seu lado há 6 anos

  • SEG, 20 DE JANEIRO DE 2014 12:01
  • OSMAIRO VALVERDE
  • ACESSOS: 443
  • E-mail
  • Imprimir

Um cão chamou a atenção após não sair do lado de um túmulo por mais de 6 anos.

  O pastor alemão chamado Capitan fugiu de casa depois da morte do argentino Miguel Guzman em 2006. A família não sabia onde ele estava, e imaginava que estivesse perambulando pelas ruas. Quando alguns parentes visitaram o túmulo dias depois para as últimas homenagens, ficaram sem palavras quando avistaram o cão, ao lado do túmulo, soluçando como se “chorasse”.

  Desde então, o cão raramente deixou o cemitério na cidade de Villa Carlos Paz, na Argentina. Guzman comprou Capitan para dar de presente ao seu filho Damian que tinha 13 anos em 2005.

esposa de Guzman disse em entrevista ao jornal Córdoba: “Temos procurado por ele, mas havia desaparecido. Nós pensamos que ele tinha sido atropelado ou morrido de alguma forma. No domingo seguinte a sua fuga, fomos ao cemitério e Damian reconheceu o seu cachorro de estimação. Capitan veio até nós, latindo e se lamentando, como se estivesse chorando”.

Ela acrescentou algo impressionante: “Nós nunca o levamos ao cemitério, por isso é um mistério como ele conseguiu encontrar o local e especialmente a cova. Voltamos no outro domingo e ele ainda estava lá. Desta vez, ele nos seguiu até em casa e passou pouco tempo com a gente, mas depois voltou ao cemitério antes que caísse a noite. Eu acho que ele não quer sair do lado de Miguel, mesmo após a morte”.

Hector Baccega, diretor do cemitério, disse se lembrar do primeiro dia que viu o cão: “Ele apareceu aqui um dia, por contra própria, e começou a vagar por todo o cemitério, até que ele finalmente encontrou o túmulo de quem considerada seu dono”.

Ele prossegue: “Durante o dia, ele às vezes dá uma caminhada ao redor do cemitério, mas sempre corre de volta para a sepultura. E todos os dias, às seis da tarde em ponto, ele se deita em cima do túmulo e fica lá toda a noite”.

Baccega ainda informou que os funcionários, emocionados com a cena, começaram a alimentar o cão diariamente, além de outros cuidados.

O filho de Guzman disse que tentou levar Capitan para casa várias vezes, mas ele sempre corria para o cemitério logo depois: “Eu acho que ele vai ficar lá até que morra também. Ele simplesmente está cuidado do meu pa